Corte de recursos na Ufba e outras federais é consequência do caos financeiro gestado nas administrações do PT”, diz Dayane Pimentel

2 min read

A deputada federal Professora Dayane Pimentel, presidente do PSL na Bahia eintegrante da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, disse que o
corte de verbas para a Universidade Federal da Bahia (Ufba), a Universidade
de Brasília e a Federal Fluminense (UFF) é uma consequência do caos
financeiro decorrido da gestão perdulária dos governos petistas e da
incapacidade de governos anteriores de realizar as reformas.

Dayane Pimentel salientou que esse contingenciamento não é permanente, mas
fruto de uma necessidade de reavaliar investimentos e realizar um
realinhamento de necessidades, não somente no Ministério da Educação, mas
em outras pastas do Governo Federal.

“Há um contingenciamento total de R$ 30 bilhões em vários setores do
governo, mas não é uma medida definitiva. Havendo melhora na expectativa de
arrecadação, havendo principalmente a aprovação das reformas, esse
contingenciamento pode ser suspenso”, disse Dayane Pimentel.

Sobre a hipótese de perseguição às universidades, a parlamentar foi
enfática: “Não há nada disso. É a consequência ainda da pior crise
econômica já enfrentada pelo Brasil causada principalmente durante os
governos petistas, que gastou demais e não realizou as reformas
necessárias. Toda a responsabilidade por resolver esse caos econômico caiu
na conta de Bolsonaro. Mas não fugiremos de nossa responsabilidade”, disse
a deputada federal.

Quanto à UFBa e outras unidades federais de ensino que tiveram recursos
contingenciados, insistiu a parlamentar baiana, não é uma questão de
perseguição, mas de matemática. “Claro que lamentamos o corte de recursos
para uma universidade como a UFBa, em minha terra, mas esse é o remédio
amargo que foi preciso realizar para que o problema atual de falta de
recursos não se torne uma regra, mas somente uma crise passageira”,
salientou Dayane Pimentel.

A deputada salientou que está atenta à situação da Ufba, da UnB e da UFF e
que buscará soluções. “Precisamos sentar, conversar, ver o que pode ser
feito com esse orçamento que ainda não é o realizado pelo governo Bolsonaro
e sua base eleita em 2018. Esse orçamento ainda é fruto das gestões
irresponsáveis anteriores a 2019″, salientou a parlamentar.

Dayane Pimentel fez, inclusive, um apelo aos colegas de parlamento. “É
fundamental que sejam aprovadas as reformas propostas pelo governo
Bolsonaro, como única forma de reequilibrar as contas públicas. Sem essas
reformas, o estado brasileiro, já em fase falimentar, poderá sofrer grave
paralisia”, apontou a presidente do PSL baiano.

Crédito fotos: Ascom