Home / Entretenimento / Na onda da internet: arquiteto diz o que é e o que não é de bom tom na Arquitetura e Decoração

Na onda da internet: arquiteto diz o que é e o que não é de bom tom na Arquitetura e Decoração

Bem descontraído, Márcio Barreto orienta o público com aquelas dúvidas comuns dos clientes e internautas.

É muito comum na internet o público fazer perguntas ou pedir orientações aos arquitetos de quais produtos que podem ser adquiridos para um projeto, principalmente quando o assunto é a relação custo/ benefício. Por este motivo, o especialista em arquitetura acessível, Márcio Barreto, orienta para o que é e o que não é de bom tom na Arquitetura e Decoração.

Nessa relação entre o cliente e o arquiteto, é muito comum o público optar por produtos que não foram indicados pelo profissional, por exemplo. No entanto, o especialista Márcio Barreto, fala o porquê dessa atitude não ser de bom tom. “Isso modifica completamente o resultado do espaço montado. Cada material precisa ser pensado e combinado com os demais que compõem o ambiente. Mudar alguns desses itens pode comprometer todo o resultado” afirma Márcio.

Já quando o assunto é apresentar qualidade e bom resultado no projeto, o arquiteto também fala que é de bom tom que o profissional busque ter uma boa equipe, fazer uma parceria com um engenheiro, por exemplo. Um bom projeto também precisará de uma boa execução para o resultado perfeito. Chamar um “faz tudo” para executar a obra, mesmo tendo um projeto lindo, não é garantia de bom resultado. Todo o processo precisa ser realizado com qualidade e por profissionais qualificados”, lembra.

Outro ponto importante que Márcio Barreto faz questão de orientar, é que o cliente deve sim acompanhar o projeto, pois é necessário o consumidor participar, ter um tempo para amadurecer as ideias e aprovar tudo que foi apresentado pelo arquiteto.

Se você acha que a arquitetura acessível é apenas para a classe C, saiba que esse pensamento não é de bom tom. Para o especialista, esse tipo de arquitetura tem o seu estilo próprio e requer muita criatividade para o desenvolvimento. “Existe muita gente com dinheiro querendo sair do senso comum e criar seus espaços personalizados, usando os conceitos de arquitetura acessível. Se engana, quem acredita que fazer arquitetura acessível é apenas reproduzir de forma mais barata soluções de maior custo” destaca Márcio Barreto.

Ele também chama atenção do cliente que tem aquele velho costume de fazer a obra “por conta própria” e afirma que esse é um grande risco. “Se você pretende gastar duas vezes para fazer a mesma coisa e não se importa com a segurança do espaço, a autoconstrução é para você mesmo!”, brinca o arquiteto. Ele ainda continua, “antes de iniciar qualquer modificação em casa, pesquise e faça orçamentos com profissionais que possam te auxiliar. Nem sempre o “faça você mesmo” é o caminho mais barato”, finaliza.

Facebook Comments

Sobre Gildo Ramos Cunha

x

Check Also

Casa MAR e Afroimpacto promovem curso gratuito de Capacitação Profissional para Trancistas

Com foco em profissionalizar mulheres negras na arte de trançar cabelos, curso ainda apresenta ferramentas ...

DISTRITO DE SERRA GRANDE NA CIDADE DE URUÇUCA NO SUL DA BAHIA, ESTÁ REALIZANDO A 5° EDIÇÃO DO MAIOR FESTIVAL DE ARTE E GASTRONOMIA DO NORDESTE

Um sonho que se tornou realidade ! Um grupo de professores, estudantes, voluntários, empresários e ...

Arte Pop Preta – Edoux afirma “Meu cabelo é a minha coroa, tem negritude em tudo o que eu faço”

Cantor, compositor, homem preto e gay, apresenta história de lutas na arte e na música. ...